sexta-feira, 11 de abril de 2008

Por um instante

POR UM INSTANTE

     Aquele salão imenso ainda percorre algum sentido absorto, querendo abolir os efeitos tardios da falta sem culpa que não nos permitiu uma grande prosa. No entanto, este instante parece propício para que eu pudesse transcrever algo sobre sua impressão deixada em pé, ao palco, ou ao descanso no aposento improvisado do cenário. Adianto minhas desculpas por não lembrar os detalhes brilhantes da sua jornada e sei que ainda tenho meiosde revê-los através de amigos que ainda temos. Muitas vezes, ao escrever, não tenho a mesma paz dos livres pensamentos... e assim, também me desculpo de infringências.
Por um instante, uma história de astro, da sua juventude e conquistas, cativaram a minha imatura curiosidade e lá estive contigo,vasculhando um passado de gravações que se tornaram tão perfeitas, mas, não sei se todos os louros foram acalentados em seu coração.
Seus dias longe dos familiares, o início de uma vida no quarto de pensão, a doçura do seu primeiro amor...
          Obrigada por ter depositado esta semente de esperança!
          Este sentimento real foi apenas um instante de beleza que guardarei para o sempre! (...)
Postar um comentário